segunda-feira, agosto 25, 2008

Amizades

Amigos há muitos e de muitos tipos. Os conhecidos e amigos para a farra, por exemplo, têm o seu valor e serventia, e não é raro saírem desta classe algumas amizades mais próximas. Mas para considerar alguém nesta categoria não é comum exigir-se muito. Basta que se ambos se divirtam na companhia um do outro e dois indivíduos podem considerar-se amigos com alguma segurança.
Mas existem níveis de amizade de natureza mais íntima. Existem aqueles amigos com quem partilhamos histórias um pouco mais coloridas, ou aqueles por quem não nos importamos de suportar um ou outro fardo ocasional. Mas ainda há outro tipo de amigos.
Estes são aqueles de quem podemos esperar, com segurança, que vão estar do nosso lado mesmo quando nós não pedimos ajuda. Esta classe de amigos é muito mais restrita, como seria de esperar, e por vezes vêm em nosso auxílio mesmo quando os afastamos, limitando-se a estar presentes, caso precisemos. E sabe sempre bem saber que há alguém ali ao lado, pronto para o abraço de que tantas vezes precisamos. Sem necessidade de palavras.
Quando caí, por opção alheia, no abismo de que agora me evado, muitos foram os amigos que se revelaram. Alguns sem novidade, sem dúvidas. Posso até dizer que já contava com eles. Mas houve também aqueles que se revelaram.
A todos eles, muito obrigado.
Por todos eles, vou sorrir um pouquinho mais.

6 comentários:

AA disse...

já estou assustado...

Anita disse...

Keep on smiling...

Gonçalinho disse...

Assustado com quê, AA?

O Peregrino disse...

"Don't worry about a thing, 'cause every little thing is gonna be alright..." BECAUSE "no woman, no cry". Finally, "don't worry, be happy"!

whity disse...

Ah! Essa sim é uma excelente foto. Se me permites, estás lindo.

Charlotte Sometimes disse...

Às vezes até é bom cair... levarmos um abanão tremendo na vida, só para sabermos que de facto ela (a vida) está ali, não é coisa que se contente com pouco. É bom cair para nos voltarmos a levantar. Com umas mazelas e tal, mas mais fortes, como já dizia o senhor Nietzsche ("O que não te mata só te torna mais forte"). Nem vou falar das pedras do senhor Pessoa, que sinceramente estou farta de ouvir citar por pessoas que nunca abriram um livro dele. Bom, tudo isto para dizer que as quedas custam "pa carago", mas no fim de contas... nem tudo pode ser mau! E sim, é tão bom quando vês as mãos a chegar para te levantar, mãos que conheces, mãos que começas a conhecer melhor, mãos que até já te tinhas esquecido que andavam por ali! Mas a amizade é mesmo isto :). Muitos beijinhos. Rita