segunda-feira, julho 09, 2007

Um debate muito esquisito...

Debate é uma discussão amigável entre duas ou mais pessoas que queiram colocar as suas ideias em questão ou discordar das demais, tentando fazer prevalecer a sua própria opinião ou sendo convencido pelas opiniões opostas. (tentei, dentro dos limites da minha pachorra, eliminar os tiques brasileiros de linguagem desta definição encontrada na Wikipédia)


Muito esquisito este debate que agora passa na RTP, dirigido por Maria Elisa Domingues. Discutir-se-ia, foi publicitado, o aquecimento global. Nem aquecimento global nem as suas causas. O que agora vejo é um simples colóquio sobre as consequências de um futuro projectado, e não previsto (para usar as palavras de um dos participantes), e soluções sugeridas. Debate, nenhum.

A culpa humana do aquecimento global é um dogma, portanto, e as opiniões opostas são politicamente incorrectas.


É um orgulho fazer parte desta raça de semi-deuses que se conseguem impôr a Hélios ou Gaia com tanta facilidade.

6 comentários:

GoEThe disse...

Não se trata da sobrevivência da Terra, nem sequer da vida na Terra.
Trata-se da sobrevivência do Homo sapiens e de muitas outras espécies de seres vivos.

Numa escala geológica, com certeza que Gaia está-se a marimbar. Sacode a poeira e continua a andar.

GoEThe disse...

Mais uma vez te digo, se a intenção é utilizar os recurso de maneira mais eficiente, não vejo problema.
Pior é quando aparecem ideias como retirar o CO2 da atmosfera de maneira industrial.
Isso é que já considero pior.

Gonçalinho disse...

E poupar recursos não será economicamente mais apetecível? E se não o é, não será mais lógico convencer o consumidor a torná-lo economicamente apetecivel, através das suas opções de consumo?

Eu só não gosto desta tendência ecofascizante de impôr leis e comportamentos, classificando até aqueles que duvidam ou questionam em pessoas sem ética nem moral. (O Al Gore diz no seu filme que isto é uma questão moral, e no debate de ontem um dos convidados falou em ética...)

Quanto à questão da sobrevivência do Homo sapiens, nem esta é absolutamente necessária (ihihi) nem a sua extinção é assim tão certa. Como não é certo que o aumento da temperatura média da Terra seja da responsabilidade do Homo sapiens, nem que esta continue a aumentar para lá dos proximos cinco anos, por exemplo.
Mas há quem se advogue como salvador da Terra, pedindo em troca que o indivíduo entregue nas suas bem-intencionadas garras toda a sua liberdade de escolha.

Provem, por A+B, que estamos em verdadeiro perigo (como ainda nos anos 80 todos tinham a certeza de que estavamos perante a catástofe de uma nova idade do gelo), e mesmo assim reinvindicarei liberdade de escolha.

GoEThe disse...

Concordo, mas acho que o teu problema é que os movimento ecológicos estão conotados com partidos comunistas.
As questões morais são pessoais e não legislativas.
Tens liberdade de deitar lixo para o chão, mas quem tem de limpar são as autarquias.

Gonçalinho disse...

Portanto, acreditas que se esses movimentos não estivessem conotados com movimentos comunistas, eu já não pediria debate e discussão de ideias... Pensei que me conhecesses melhor.

Disseste tudo na segunda frase: "As questões morais são pessoais e não legislativas.". Isso é o contrário daquilo que Al Gore diz em relação a este assunto (e, tanto quanto sei, Gore nunca se intitulou de comunista).

Quem limpa o que eu deito para o chão é pago para isso.

GoEThe disse...

Não, o que eu digo é que tu defendes no teu site a conservação da Natureza, mas estás contra os movimentos ecologistas porque estão conotados com a esquerda.
Que tu gostas de discutir com quem quer que seja, bem eu sei...;)
Tu achas que a melhor maneira é pagar a alguém para limpar o lixo. O que eu digo é que era melhor não sujar tanto, e assim não se tinha de gastar tanto a limpar. Mas também é preciso limpar.